Artículo de Investigación e innovación

O corpo em Dogville. Nos limites da razão entre graça e sacrilégio

Artículo principal

Renato Izidoro da Silva
Eduardo Galak
Fabio Zoboli
Enviado dic 3, 2018      Publicado dic 3, 2018

Resumen

Este ensaio apresenta como objeto de investigação o corpo sob a égide da relação entre sacrilégio e graça no filme Dogville, a partir das interações dos personagens Tom, Grace e o Cão Moisés, na articulação com a Cidade onde acontece a trama. A hipótese que se assume no texto é de que as tensões na película entre sacrilégio e graça balizam sentidos sobre a razão, a violência e o corpo organizados a traves de um roteiro onde a estrutura relacional dos personagens se dá despojada de moralidade externa à cidade profanada das paredes que separam o próprio do estranho, o interior do exterior. Deste modo, lançamos a proposição teórica de que em Dogville o exercício da razão do personagem Tom consiste em um sacrilégio recaído sobre o corpo por meio da violência dissimulada, disfarçada de bondade e de alteridade, diante das atrocidades da Cidade que grita um silencio atroz.

Bourdieu, P. (2001). Meditações pascalianas. Tradução de Sérgio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Derrida, J. (2002). O animal que logo sou. Tradução de Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP.

Dogville – Filme. Direção Lars Von Trier. Produtora Califórnia Filmes: Estados Unidos, 2003. 1 DVD (171 min.).

Eco, U. (2007). História da feiura. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record.

Fernandes, F. (2013). Nota do tradutor. In: KANT, I. Immanuel Kant: textos seletos. Tradução, dos originais, de Floriano de Sousa Fernandes. Petrópolis, RJ: Vozes. (Coleção textos filosóficos).

Foucault, M. (2001). Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. 22. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

______. (2013). O que são as luzes? In: ______ Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro. 3a ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Ditos & Escritos; 2).

Galak, E. (2010). El concepto cuerpo en Pierre Bourdieu: Un análisis de sus usos, de sus límites y de sus potencialidades, Tesis de la Maestría en Educación Corporal – Universidad Nacional de La Plata.

Galak, E. (2014). Raça. In: Fernando Jaime González y Paulo Evaldo Fensterseifer (coord.). Dicionário Crítico de Educação Física. Ijuí: Editora Unijuí.

Galimberti, U. (2006). Psiche e techne: o homem na idade da técnica. Tradução de José Maria de Almeida. São Paulo: Paulus.

Kant, I. (2013b). Que significa orientar-se no pensamento? In: Kant, Immanuel. Immanuel Kant: textos seletos. Tradução, dos originais, de Floriano de Sousa Fernandes. Petrópolis, RJ: Vozes. (Coleção textos filosóficos) p. 46-61.

______ (2013a). Resposta à pergunta: Que é “Esclarecimento”? (Aufklarung). In: Kant, Immanuel. Immanuel Kant: textos seletos. Tradução, dos originais, de Floriano de Sousa Fernandes. Petrópolis, RJ: Vozes. (Coleção textos filosóficos) p. 63-71.Riaño, Pilar (ed.) (1994). Women in Grassroots Communication. Furthering Social Change. EUA: Sage Publications.

Le Breton, D. (2009). A sociologia do corpo. Tradução de Sônia M. S. Fuhrmann. E ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lévi-Strauss, C. (2012). A antropologia diante dos problemas do mundo moderno. Apresentação de Maurice Olender; tradução de Rosa Freire d`Aguiar. São Paulo: Companhia das letras.

Marcelo S. (2017). Crítica/Dogville. 05 de março de 2017. In: http://www.planocritico.com/critica-dogville . Acesso em: 07/08/2018.

Mebus, V. (2011). Dogville e Brecht: o teatro no cinema. Monografia bacharel em Comunicação Social. Orientador: Jose Henrique Moreira. Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Rancière, J. (2011a). El mal estar en la estética. Buenos Aires: Capital intelectual.

______. (2011b). El destino de las imágenes. Buenos Aires: Prometeo libros.

Singer, D. (2017). Biopolítica: muros y eugenesia en la gran ciudad. Palestra proferida em “La Noche de la Filosofía” Centro Cultural kirchner: Buenos Aires. 24 de junho de 2017.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles de artículos

Cómo citar
Izidoro da Silva, R., Galak, E., & Zoboli, F. (2018). O corpo em Dogville. Nos limites da razão entre graça e sacrilégio. MEDIACIONES, 15(22), 42-55. https://doi.org/10.26620/uniminuto.mediaciones.15.22.2019.42-55
Sección
Investigación e innovación
Biografía del autor

Renato Izidoro da Silva, Universidad Federal de Bahía

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Professor do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Cinema e Narrativas Sociais (PPGCINE) e do Programa de Pós-graduação em Edacação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe – UFS. Coordenador do grupo de pesquisa “Corpo e política”

Eduardo Galak, Universidad de La Plata

Doctor en Ciencias Sociales por la Universidad Nacional de La Plata (Argentina). Investigador del CONICET. Profesor de la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación (UNLP). Coordinador del grupo de investigación Colectivo de Estudios sobre Política, Educación y Cuerpo (IdIHCS-UNLP/CONICET).

Fabio Zoboli, Universidad de La Plata

Pós-doutor em “Educação Corporal” pela Universidad Nacional de La Plata – UNLP/Argentina. Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Professor do Departamento de Educação Física e do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe – UFS. Membro do grupo de pesquisa “Corpo e política”.